Como evitar a queda de cabelo: conheça mitos e verdades

Receitas caseiras funcionam para fazer o cabelo crescer? Especialistas respondem

 Cortar o cabelo durante a fase de lua cheia para que cresça mais rápido é apenas um dos mitos envolvendo a queda e o crescimento capilar. E como as causas do problema podem ser as mais diversas possíveis, é normal que muita confusão surja em torno da saúde do cabelo. “Existem diversos tipos de alopecia, algumas de natureza autoimune, inflamatória ou infecciosa, por exemplo. Doenças sistêmicas e deficiências vitamínicas também podem ter reflexo sobre os fios, causando quedas agudas de número aumentado de fios”, explica o dermatologista Rodrigo Pirmez, da clínica Dr. André Braz.

É por isso que, ao se perceber uma queda excessiva de fios – a média considerada normal é de 100 fios por dia -, deve-se procurar um médico dermatologista com experiência na área de doenças dos cabelos e couro cabeludo para realizar o diagnóstico precoce. Confira abaixo mitos e verdade sobre a queda e o crescimento de cabelo:

1- Cortar as pontas do cabelo ajuda no crescimento

MITO. Quem já não ouviu dizer que é preciso aparar as pontas do cabelo para que ele possa crescer? Segundo a dermatologista Juliana Annunciato, essa afirmação não é verdadeira. “Cortar regularmente os fios ajuda no fortalecimento e na qualidade, mas não aumenta a velocidade de crescimento”, explica. Assim, se o seu objetivo é eliminar as pontas duplas e garantir um aspecto mais saudável para os fios, vá em frente e aposte na tesoura, mas não espere que as madeixas vão crescer mais rápido.

2- As mulheres podem apresentar queda de cabelo na menopausa

VERDADE. De acordo com a dermatologista, uma pessoa possui, em média, cem mil fios de cabelo e, quando saudável, é considerado normal a perda de cerca de 100 a 200 fios por dia. Com as alterações hormonais associadas à menopausa, principalmente, a diminuição na produção de estrogênio, é comum ocorrer o enfraquecimento e a consequente queda de cabelo. “Nesse período, diminuem os hormônios femininos e predominam os masculinos, por isso, pode acontecer uma perda maior de cabelos, principalmente, quando há uma tendência genética”, afirma Juliana Annunciato.

3- Usar sempre o mesmo shampoo corta o efeito do produto

MITO. Está “pulando” de produto em produto porque acha que o cabelo já se “acostumou” com o xampu da vez? Você já pode rever esse hábito. Segundo o dermatologista Abdo Salomão Jr., o uso constante de um mesmo produto não altera a sua eficácia. “Se a pessoa se adaptou com esse produto, pode usá-lo tranquilamente por um longo período sem problemas.” Já Juliana Annunciato argumenta que se o xampu não está tendo o efeito desejado é porque, provavelmente, não é o mais adequado para seu tipo de cabelo.

4- Misturar anticoncepcional ao shampoo ajuda a fortalecer os fios

MITO. É verdade que a pílula anticoncepcional pode minimizar alguns sintomas físicos comuns do período menstrual, como a oleosidade da pele e dos fios e o aparecimento de acnes, mas isso não significa que misturá-la ao xampu vá promover o crescimento do cabelo.  “A pílula não interfere em nada na saúde dos cabelos porque não é um tipo de hormônio absorvido quando aplicado nos fios”, explica Juliana Annunciato.

5- A presença de caspa no couro cabeludo pode ocasionar a queda

VERDADE. A caspa atinge diretamente o couro cabeludo e uma raiz saudável é fundamental para garantir que os fios se mantenham fortalecidos e resistentes à queda. “De acordo com estudos, 72% dos indivíduos com caspa têm queda de cabelo. Pessoas com tendência ao aparecimento da caspa devem controlar o problema com o uso contínuo do xampu”, recomenda a dermatologista Juliana Neiva.

Para a hairstylist Viviane Siqueira, cabelos normais devem ser lavados regularmente, os oleosos diariamente e os secos três vezes por semana. No caso de problemas como queda de cabelo, dermatite seborreica, caspa, excesso de oleosidade, queimadura do couro cabeludo e escamação, o ideal é procurar um dermatologista que indicará o melhor tratamento para a região. “Hoje existem xampus, tônicos, fortificantes e comprimidos via oral, o especialista saberá o que receitar. Não recomendo nunca tratamento em casa, pois o problema pode piorar.”

Leia na íntegra em www.gnt.globo.com